AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

MEU CORAÇÃO CHORA



Oiço o meu coração chorar
cá dentro do meu peito
eu não quero e não aceito
que o façam assim clamar


Oiço as lágrimas que derrama
em cada soluço de tristeza
chora por saber que ama
quem não o quer de certeza


Sinto que me inundou a alma
com tanta lágrima angustiante
pode ser que venha a naufragar
num paraíso distante


Acalma-te coração
tuas lágrimas ninguém merece
pois todo o amor que causa solidão
é inútil e rápido se esquece

sábado, 18 de julho de 2009

JANELA ABERTA



Deixo a janela aberta
Para o Sol me iluminar
Deixo a janela aberta
Para me veres ao regressar

Deixo a janela aberta
Porque esta dor que tanto aperta
Não me deixa perder a conta
Ao início, ao meio e à ponta
Dos dias que não te vejo
Pois sabe que o que mais desejo
É tão pouco, tão somente
Que estejas sempre presente
Em cada dia, em cada amanhecer
Por uma vida de amar sem sofrer

segunda-feira, 13 de julho de 2009

NUM SEGUNDO...


Num segundo muda o tempo
Vai o sol e vem o frio
Num segundo, num momento
Perco a pose, perco o brio

Num segundo sinto-me só
Como a seguir preciso de espaço
E entretanto, em mais um segundo
Todo o meu ser quer um abraço

Num segundo estou a sorrir
Logo depois, olhos a chorar
Com a mala pronta, decido partir
Ao fim ao cabo, não saí do lugar

Num segundo tenho vida,
Tenho luz, tenho liberdade
Num segundo perdi o rasto
À tal chamada identidade.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

QUEM SOU EU...


Quem sou eu p’ra reclamar
De um simples dia de chuva
Quem sou eu para julgar
Se o tom de pele é clara ou escura
Que direito tenho eu
De negar uma refeição
Se a maior parte do planeta
Nem conhece o sabor do pão
Que direito tenho eu
De resmungar se não há electricidade
Se tanta gente no mundo
Só tem o sol como claridade
Quem penso eu que sou
Quando inutilizo vestuário
Se existem tão pequenas crianças
Que nunca conheceram um berçário
Com que direito e com que lata
Critico, reclamo e desvalorizo
Uma vida de fácil tacto
Quando o que apenas preciso
É saber agradecer o facto
De amanhecer e acordar
Vendo os sorrisos de quem amo
Desejando que no próximo madrugar
Alguém consiga agradecer
Pelo novo dia que está a nascer
Porque ainda tem a quem sorrir
Não precisando mais esmola pedir.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

CAMINHAR NO ASFALTO...



Vou pisando o asfalto

sem querer

e sem vontade ter

mas no cimo, bem lá no alto

algo me faz continuar

porque por vezes caminhar

sem destino nenhum

e sem trajecto algum

leva-nos passo-a-passo

sempre cumprindo o compasso

ao ponto de partida

de uma nova chance nesta vida!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...