AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011



Não importa que a chuva comece a cair
Nem que fique sem lugar para onde ir
Não importa que a voz me queira faltar
Nem que o silêncio se faça notar
Não importa que as noites não tenham fim
Se apesar de tudo, Tu habitas em mim.


Uma flor, um sorriso
Que mais é preciso
Para saber dar valor
Ao Pai, nosso Senhor
Que sempre, sem hesitar
Nos coloca em primeiro lugar.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

O vigário da freguesia
Passou por mim outro dia,
Ia numa tal correria,
Que, por pouco, nem me via!
“Que pressa é essa? Que aflição!
Vai dar alguma extrema-unção?”
“Não! É uma pressa normal.”
Disse-me ele e coisa e tal.
“Mas olhe que parece apressado,
Até o seu olhar vai esgazeado!”
“Impressão sua, deixe andar.
Só sei correr, esqueço-me de caminhar!”
Ele estava meio encolhido,
Olhava em volta, meio perdido.
“Então precisa de ajuda? Sente-se bem?
Quer que chame alguém?”
“Deixe estar, não há complicação.
Cá entre nós, é só uma pequena aflição.”
Foi quando compreendi o que se passava
E qual a pressa que o vigário levava.
O pobre homem ia quase a fugir,
Porque algo dentro de si, tinha pressa de sair.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Roubei uma lágrima
De um choro profundo
E no topo do mundo
A deixei cair,
Não a queria sentir
Na palma da mão ,
Porque o meu coração
Me deu a escolher,
Ou chorar por saber
Ou aceitar a verdade:
Que nem sempre se chora de felicidade.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

JÁ NÃO TENHO SONHOS

(site yenta4)

Hoje não tenho sonhos, vivo da realidade
Cansei-me dos sonhos sem identidade
Prefiro fechar os olhos e só dormir
É mais seguro e ajuda-me a reflectir

Os sonhos que me invadiram o passado
Acabaram por se fartar do meu desagrado
E num dia banal em que acordei
Estava assim, sem saber o que sonhei