AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

sábado, 30 de abril de 2011

DIA DA MÃE






Carrega uma vida no ventre
Nunca mostra a tristeza que sente
Aprende o amargo que a vida tem
Para ao seu rebento apenas ensinar o bem

Coloca na estante da sala
As fotos dos frutos do seu amor
Ser Mãe é tremer a fala
Quando os seus botões se transformam em flor

Chora ao ver o seu filho nascer
Porque ser Mãe é amar sem barreiras
Atravessa mares e fronteiras
Porque ser Mãe é a arte de sofrer

Pega como todo o carinho do mundo
Na pequena mão que lhe conhece o respirar
Ser Mãe é perder cada segundo
Ser Mãe é sorrir a chorar

sexta-feira, 29 de abril de 2011

BRAÇOS ERGUIDOS



De braços erguidos ao céu
E com as lágrimas a cair
Toma tudo o que é meu
Ajuda-me a saber retribuir.


Somos filhos de um Pai Universal
E irmãos de um Filho sofredor
Nossas vidas são um sinal
De como é possível vencer o amor.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

MARIA DA ENCARNAÇÃO






Maria da Encarnação
Nascida e criada na serra
Partiu um dia sem noção
P’ra tentar ser alguém noutra terra

Não conhecia outro mundo
Para além da sua pacata localidade
Mesmo assim foi prego a fundo
Em busca da felicidade

Abandonou o chão de terra batida
E as carroças que calcavam as vielas
Deixou p’ra trás os degraus de pedra antiga
E os serões passados à luz das velas

Partiu numa manhã de neblina
No comboio que a levava à cidade
No apeadeiro deixou ficar a menina
Para na civilização a mulher ter mais vaidade

A serra perdeu mais uma vez
Para a grande cidade poderosa
Mas quem sabe a Maria talvez
Ainda troque o cravo pela rosa

Vazia, calma e sozinha
Assim deixou Maria a sua velha casa
Em pouco tempo a erva daninha
Há-de sem dó pô-la debaixo da asa

Os pais que já jazem no cemitério
Nem desconfiam que a filha desertou
Se fossem vivos achariam um mistério
Alguém abandonar o lugar que a criou

Agora a Maria da Encarnação
Vive e trabalha na capital
Poupa tudo o que pode da pensão
Para poder ir morrer à terra natal

sábado, 23 de abril de 2011

PÁSCOA DO SENHOR





Cristo Ressuscitou
Hoje é a Festa das Festas
Da humilhação triunfou
E revelou as Suas Páscoas diversas.

Hoje começa uma nova criação
Surgindo o “Homem Novo”
A vida nova anima o Cristão
Pelo nascimento do novo Povo.

As misérias e os sofrimentos da humanidade
Não conseguem combater o destino maravilhoso
Cristo Ressuscitou, é uma realidade
Cristo Ressuscitou, é nosso Deus Glorioso.


(Desejamos a todos que visitam o nosso cantinho, uma Santa Páscoa.)

quinta-feira, 21 de abril de 2011

ENSINASTE-ME





Ensinaste-me que falar o bem é rezar
E que amar a todos é um dever
Ensinaste-me que não importa o lugar
Porque amar a Deus é um modo de viver

Aprendi Contigo que a vida se faz diariamente
E que o Sol nem sempre é quente
Aprendi Contigo que não importa quando o dia termina
Porque o breu da noite também ilumina

Grata fico pelo tempo que me dedicas
E por me perdoares o pouco tempo que Te dou
Obrigado porque sei que sempre ficas
Obrigado por me aceitares como sou

quinta-feira, 14 de abril de 2011

O MAIS BELO DOS SENTIMENTOS



Amor
É quando te chamo sem sequer falar
E quando te sinto sem sequer te tocar

Amor,
É quando à noite ao olhar o céu
Oiço teus passos e sei que és meu

Amor,
É quando nossas mãos se tocam lentamente
E sei que teu coração vai estar sempre presente

Amor,
É quando te vejo me sinto renascer
Por saber que sem ti não poderia viver.

Amor,
É quando à noite os olhos eu fecho
Ver-te a meu lado sempre protector
E ao acordar sentir o teu beijo
E a tua voz a dizer “Bom dia Amor”.

Amor,
É quando o teu caminho se junta ao meu
Na encruzilhada do nosso sentimento
E juntos seguem a olhar o céu
Sabendo que o mais lindo é cada momento.


(é um poema de 2008, mas postamos novamente)