AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores, através do email: atendimento@spautores.ptatendimento@spautores.pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Feliz Ano Novo

(imagem retirada da internet)


Mais um ano a terminar
Mais um ciclo que sai de cena
Resta agora ponderar
Se tudo valeu a pena.

Para o novo ano que começa
Os desejos são sempre iguais
Saúde, paz e felicidade
Porque o resto são coisas banais.

Os planos que traçarmos
Seja a meio ou no início
Nunca se concretizam
Sem um pouco de sacrifício.

Que entremos no nosso melhor
Seja por que pé for
Que os desejos se tornem reais
Sempre à pala com o amor




terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Em memória da "Guidinha"


A Guidinha "partiu" ontem, dia 28/12/15.
Obrigada por estes 4 anos de ternura.

Animais são estrelas cadentes
São bonitos presentes
São o aconchego para o coração.
Animais são pedras preciosas
São as notas mais harmoniosas
São o Amigo e o Irmão.

Animais são o abraço apertado,
São o sorriso rasgado
São o Amor incondicional.
Animais são o penso na ferida
São o dar sem contrapartida
São a bondade no seu estado natural.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Feliz Natal

(imagem retirada da internet)

Um cheirinho a rabanadas
Que percorre todas as casas
Um pinheiro iluminado
Que abriga o bem-amado.

A lareira vai ardendo com vontade
Aquecendo na aldeia e na cidade
As famílias vão ficando mais perto
Juntas do calor que é sempre certo.

Natal de estrelas, sinos e bolas
De luzes, fitas e azevinho
Natal tão simples de enfeitar
Apenas com o amor nascido do carinho.

Há quem continue a ser egoísta
A não fazer o bem, a querer o mal
Há quem nem nesta altura consiga dar a mão
Mas provavelmente nem sabem que é Natal.

Quem por nós se deu sem retaliar
Ensinou-nos a beleza que há em perdoar
Que ponhamos em prática este ensinamento
Para juntos celebrarmos tão importante nascimento.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Natal

(imagem retirada da internet)

Querem roubar-nos descaradamente
A verdadeira essência do Natal
E nós por simples preguiça, infelizmente
Deixamo-nos enganar sem igual.

Lá nos vêm convencer
Com sarcasmo e mal dizer
Que o Natal é gastar à farta
Que é o pai natal e a sua carta.

E nós lá os pomos à janela
Junto à porta e no telhado
Com medo que o pai natal
Se vá esquecer e nos passe ao lado.

Que tristeza a nossa, que desgraça
Quando as luzinhas do jardim e da vidraça
Deixam de piscar tão de repente
Enquanto as do vizinho brilham lindamente.

Não damos ou não queremos dar
O devido valor à época natalícia
Preferimos ser macacos de imitação
E jogar um jogo sem perícia.

Enquanto o pai natal nos ocupa a casa
E nos cobra um preço dispendioso
O Menino que não pediu p’ra nascer
Nos deu a vida, o bem mais valioso.

Peço, espero e anseio
Que o Natal se celebre como veio
Com o nascimento do Rei de um povo carente
Que trouxe ao mundo uma esperança presente.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Dias de chuva (poesia infantil)

(imagem retirada da internet)

Hoje está a chover
O chão está todo molhado
Não posso ir à rua ver
Se não fico todo encharcado.

São tantas gotas de água
Que caem da senhora nuvem
Nem as consigo contar
De tão depressa que fogem.

Acho que vou ficar em casa
A ver as horas passar
E vou inventar brincadeiras
Até a chuva acabar.

Se calhar vou ler um livro
Fazer um desenho
E até dormir
O que importa é não desanimar
E acima de tudo me divertir

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Nas Mãos de Deus


(imagem retirada da internet)


Os medos que habitam em mim
E me impedem de chegar ao fim
Entrego nas mãos de Deus
A tristeza que dá sempre sinal
Esteja bem ou esteja mal
Entrego nas mãos de Deus

Os dias que nascem mais cinzentos
Mais pesados, mais avarentos
Entrego nas mãos de Deus
As noites frias e angustiantes
Habitat dos mais variados meliantes
Entrego nas mãos de Deus

As palavras que não querem sair
Tornando-se tão difícil de diluir
Entrego nas mãos de Deus
Os sorrisos por vezes escassos
A fraqueza que impera em meus passos
Entrego nas mãos de Deus

A Família, meu abrigo, meu pilar
Guia dos meus olhos, do meu andar
Entrego nas mãos de Deus
A vida frágil e nunca garantida
Que tão gentilmente me foi oferecida
Entrego nas mãos de Deus.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Este não é o meu tempo

(imagem retirada da internet)

Este tempo em que vivo
Não foi o tempo que aceitei
Já é tempo de saber o que preciso
E este tempo faz-me sentir fora da lei.

É um tempo sem sal e apagado
Nem dá tempo para me fazer brilhar
Se continuar o tempo neste estado
Arranjarei tempo de procurar noutro lugar.

Nasci neste tempo por engano
O meu tempo devia ter outra cultura
Tivesse eu tido tempo de fazer um plano
E este tempo já não me causava tanta agrura.

Basta de ter um tempo impositor
Que não me dá tempo para evoluir
Qualquer dia faço deste tempo um impostor
E o meu tempo naturalmente há-de fluir.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Portugal precisa de um "Robin dos Bosques" (repost)

(imagem retirada da internet)


Portugal precisa de um Robin dos Bosques
Para ajudar a dar de “frosques”
Com a maldita crise
É tempo de usar os collants
Esquecer as promessas vãs
E deixar que a seta deslize.

Vamos em bando tirar aos ricos
Fazê-los descer dos picos
E ensiná-los a dividir
Pobre não nasce ninguém
A pobreza nem Mãe tem
Mas arranja sempre onde ir dormir.

Que o frade nos ajude a rezar
Para na hora de acertar
Agirmos com inteligência
Se por um acaso falharmos a direcção
Alegamos que é recente a profissão
E pedimos equivalência.

E quando o Robin voltar carregado
Com o material do plano elaborado
Vamos escondê-lo em vários locais
É que guardar o produto todo no mesmo lugar
Além de burrice, é trazer o azar
Há sempre quem queira criar sucursais.

De terra em terra, de porta em porta
Vamos distribuir o fruto da nossa horta
E não esquecer de avisar a comunicação
Porque isto de ser Robin dos Bosques secreto
Não dá fruto, nem trabalho certo
Até aparecermos na televisão.

(este poema é de 2013, mas continua actual)

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

A cor do Amor

(imagem retirada da internet)

Hoje estou diferente
Sinto-me vazia e sem cor
Não sei quem levou meu arco-íris
Pois nele guardei minhas aguarelas de amor.

Vou pedir ao céu
Que me dê um pouco da sua cor
Para pintar nos meus olhos
A alegria de um novo amor.

Ao Sol peço-lhe um raio
Para iluminar o meu olhar
E quando passares à minha porta
Sei que te vou enfeitiçar.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Pomba Branca

(imagem retirada da internet)


Pomba branca, pomba branca
sinal de Paz e de Amor
corre o mundo inteiro e diz
que não há pior que o rancor.

Pomba branca, pomba branca
leva meus segredos contigo
esconde-os de todo o mundo
mas não os escondas de um amigo.

Pomba branca, pomba branca
é tão alto o teu voar
espero que de mim te lembres
quando chegares a poisar.

Pomba branca, pomba branca
se cansada já tu estás
poisa no meu regaço
e segura ficarás.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Sol e Lua

(imagem retirada da internet)

Perguntou o Sol ao céu
porque nunca via a Lua
gostava de a conhecer
e de lhe dizer que toda a luz é sua.

Respondeu-lhe o céu baixinho
que a Lua já o conhece
porque sem o Sol aparecer
o dia não anoitece.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Ilude-me

(imagem retirada da internet)

Diz-me que o tempo não passa
Quando estás ao pé de mim
Mas por mais que diga ou faça
Sei que não é bem assim.

Diz-me que o Sol não se põe
Só porque te vais embora
E que te posso chamar amor
Quando quero e a qualquer hora.

Diz-me que partilhas minha dor
Para o meu coração não se afundar
Diz-me que vais ser o seu mentor
Para o resto da vida o guiar.

Diz-me que quando me vires chorar
Não vais sentir pena de mim
Só vais minhas lágrimas enxugar
E deixar meu rosto mesmo assim.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Outono


(imagem retirada da internet)


As folhas começam a cair
O seu tempo já terminou
É o outono que começa a fluir
É o frio a dizer que já chegou

As cores agora são outras
Entre laranjas e avermelhados
Os dias são mais pequenos
E os agasalhos mais pesados

As frutas estão em alta
E a variedade é muito maior
São um presente da natureza
Todos estes sabores multicor

É uma estação de transição
Acompanhada de mudanças e nostalgia
É tempo de pensar em renovação
Outono é o silêncio da magia.



sexta-feira, 18 de setembro de 2015

A sorte sou EU

(imagem retirada da internet)


Nos segredos do silêncio
Guardei a minha sorte
O meu desejo
Minha vontade
Pois não conheço melhor forte
P’ra guardar a felicidade

Percebi no teu sorriso
Que o olhar não se padece
Quando na voz é preciso
Suplicar com uma prece

Quando me chamas amor
Não tens alma
Garra nem loucura
Imitas as frases banais
Que trazem o amor de pendura

Descobri que a sorte sou eu
Com conquistas, derrotas
Amores e desamores
Sou um pacote completo
De alma sã
E muitas dores

Quando olhares para trás
P´ra procurar mais um abrigo
Meus olhos não vais encontrar
Porque já não preciso
De viver sob um comando
Que de vez em quando
Prefere fazer sofrer
Alguém que por insegurança
Fazia desse amor vazio
A sua razão de viver

sábado, 12 de setembro de 2015

Dou graças...

(imagem retirada da internet)

Dou graças pelo sol de cada manhã,
pelo corpo e alma sã.
Dou graças pelo alimento diário,
pelo conforto do meu breviário.
Dou graças pelo meu lar,
pelas paredes difíceis de abalar.
Dou graças pela Família unida,
pela protecção, sem peso nem medida.
Dou graças pelos dias de chuva,
pela subsistência do fruto da uva.
Dou graças pelo meu trabalho,
por nunca me faltar agasalho.
Dou graças por cada sorriso,
pela esperança do regresso ao paraíso.
Dou graças pela salubridade,
por saber o valor da sinceridade.
Dou graças por cada dia que chega ao fim,
por saber que me acompanha o meu querubim.
Dou graças a quem graças me concede

Dou graças Aquele que nada me pede.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

A minha pequena janela

(imagem retirada da internet)

Da minha pequena janela
Simples e singela
Vejo flores da cor rosa pastel
Da minha pequena janela
Sinto o cheiro a canela
E a torradas com mel

Junto à minha janela
Como uma sentinela
Vejo o mundo de outra maneira
Junto à minha janela
Sinto-me como numa caravela
Que navega sem barreira

A minha pequena janela
Qual ilustre donzela
Ilumina todo o meu lar
A minha pequena janela
Será a minha cartela
Quando o meu fim chegar.

sábado, 5 de setembro de 2015

Em memória do Lucas

A tua partida foi prematura
Deixando à escura
A alegria do teu olhar
A dor é muito recente
Já não estás mais presente
E o tempo ainda não ajuda a curar.

Deixaste em nós o teu sorriso
E o brilho de ser criança
Levaste apenas o que foi preciso
Ficou a obrigação de crescer à tua semelhança.

Na tua tão curta existência
De sincera e pura essência
Ensinaste-nos o amor incondicional
Habitas agora na tua última morada
Já não percorres a nossa estrada
Regressaste ao exército angelical.

Ficam as lembranças de um menino feliz
E a certeza de nos voltarmos e encontrar
Fica a felicidade que nos ensinou um petiz
E a coragem de quem em tenra idade aceitou embarcar.



terça-feira, 1 de setembro de 2015

Vou e não vou

(imagem retirada da internet)

Vou enganar a saudade
Dizer que não sinto falta
E vou mentir p’ra verdade
Que o meu coração já não salta
Quando te vejo passar,
E esboçar um sorriso
Maior que as ondas do mar
Que me faz perder o juízo.

Vou deixar secar
As rosas do meu jardim
Os cravos da minha varanda
E da janela o alecrim.

Vou trocar as voltas
À rotina do meu amor
Trocar o dia e a noite
O frio e o calor.

Vou abrir todas as portas
E perder as chaves sem querer
Porque este diz que é viver
Já não me seduz
E nem me traz essa luz
Que me devia abrigar
Do meu medo do escuro
E me devia ensinar
Que não é mais seguro
Depender de alguém
Que só nos bate à porta
Quando a preguiça não tem
Sinais de vida, está morta.

Já dei a volta por cima
A este vou e não vou
E o sabor a limão e lima
Que tanto amargou
Já foi para a sucata
P’ra enganar mais um tolo
Que um belo ferro é prata.

terça-feira, 28 de julho de 2015

ERGUER (vou renascer)

(imagem retirada da internet)


Quebraste meu sonho real
Sem culpa, sem cuidado
Acabo por pensar que o mal
Viveu comigo disfarçado.

Vou erguer meu novo império
Não penses que morri rendida
Vou tomar-me mais a sério
Traçar meu rumo, não estou perdida.

Reparei que minha alma
Renasceu com esta dor
Transpareço beleza e calma
Fiquei vingada, meu amor.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Obrigado

(molduras decoradas por Deemak Twins)

Contigo aprendi a crescer
e a desenvolver-me enquanto criança
contigo aprendi o saber fazer
e a acreditar num mundo de esperança.

Obrigado pelo ensinamento
obrigado pela dedicação
obrigado por cada bom momento

obrigado por preencheres o meu coração.

(poema feito para a Educadora Flor)


Estiveste sempre ao meu lado
a partilhar cada brincadeira
fizeste-o com o maior cuidado
e sempre da melhor maneira.

Obrigado pelo cuidar
obrigado pelo carinho
obrigado por comigo caminhar
obrigado pelo amparo no caminho.

(poema feito para a Auxiliar Salomé)

sábado, 13 de junho de 2015

Santo António

(peça feita à mão pelas Deemak Twins)

O teu admirável dom como pregador
Exercia fascínio sobre as multidões
A defesa do pobre e a reprimenda do rico
Assim eram os teus valiosos sermões.

Santo pelo povo venerado
Padroeiro dos pobres e oprimidos
És por todos muito festejado
Obrigado por atenderes nossos pedidos.

Não há casa que não te venere
Nos seus oratórios enfeitados
Padroeiro de quem trabalha arduamente
És um dos Santos mais amados.

Santo António te invocamos
Para achar coisas perdidas
Protege o lar onde habitamos
Ajuda-nos a sarar as feridas.

Tens ao colo o menino Jesus
Companheiros na cumplicidade
Santo António ilumina-nos com a tua luz

E guia-nos no caminho da verdade.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

MARIA

(imagem retirada da internet)


Obrigado por me ouvires
E por guiares o meu caminho
Obrigado por existires
E não deixares o meu coração sozinho

Obrigado por intercederes por nós
Junto do Teu filho tão amado
Obrigado por não nos deixares sós
E tornares o fardo menos pesado

Obrigado minha mãe adorada
Pelo teu regaço quando preciso chorar
Obrigado Nossa Senhora amada
O teu amor é o que me faz andar

Obrigado Maria Imaculada
Obrigado pelo teu amor incondicional
Obrigado pela tua companhia na estrada
Obrigado Rainha de Portugal.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Dia da Criança

Ser criança é ser sorriso
é dar gargalhadas, ter pouco siso.
Ser criança é não deixar de sonhar
viver o momento e sempre acreditar.
Ser criança é saber cair
magoar os joelhos, mas sempre a sorrir.
Ser criança é jogar ao berlinde
marcar mais pontos, antes que o jogo finde.
Ser criança é brincar ao herói e ao bandido
não importa quem ganha, não é tempo perdido.
Ser criança é cantar uma canção,
é andar de bicicleta, por vezes em contra-mão,
Ser criança é um arco-íris pintar
misturando as cores, inventar!
Ser criança é ser o Sol,
ser feliz, ter esperança
por isso dai-nos um sonho
e deixai-nos ser criança!

sexta-feira, 22 de maio de 2015

22 de Maio - Dia de Santa Rita de Cássia

(imagem retirada da internet)

“Advogada das coisas impossíveis”
Assim Te chamam pois devem saber
Que és a nossa fé, a nossa luz no escuro
Talvez a nossa força para viver.

Com Teu olhar sereno
Nos atendes nas horas de aflição
Nos momentos de dor e de angústia
Trazendo paz para o nosso coração.

Levas em Teus braços
Junto a rosas de amor
O filho de Deus na cruz
Que por nós sofreu com tanta dor.

Espero que nunca nos deixes de atender
Nos momentos em que a fé nos quer faltar
Olha por nós com carinho
Pois para sempre Te vamos amar.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Dia da Família ♥


(imagem retirada da internet)


Família são os bons momentos
São os bons sentimentos
São o amor incondicional
Família é cada sorriso rasgado
É cada abraço apertado
É uma união especial.

Família é o contraste de gerações
É a alegria em todas as reuniões
É saber amar sem contrapartida
Família é o aprender e o ensinar
É ter vontade em partilhar
Família é o melhor modo de vida.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

13 Maio - 1º Aparição de Nossa Senhora de Fátima

(imagem retirada da internet)

A Ti pedimos com fé e fervor
Que nos atendas nas aflições
A Ti pedimos com todo o amor
Que tragas paz para os nossos corações

Muito obrigado pelas noites calmas
E pelos dias que já lá vão
A Ti entregamos nossas almas
Que levam junto o nosso coração

Estás sempre disponível para ouvir
Não importa o dia nem a hora
Atendes sempre a quem Te pedir
A todos pelo mundo fora

Nossa Senhora de Fátima
Senhora de todos nós
És a Rainha do povo
És a alma da nossa voz.

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Maio, mês de Maria ♥

(imagem retirada da internet)

Maria, mãe adorada
Maria, luz na escuridão
Maria, Senhora imaculada
Maria, mãe do Rei da nação

Maria, amparo na dificuldade
Maria, porto de abrigo
Maria, Rainha da humanidade
Maria, protectora de qualquer perigo

Maria, mãe de Jesus
Maria, mãe de todos nós
Maria, que sempre caminhemos na tua luz
Maria, te louvamos numa só voz.

domingo, 3 de maio de 2015

DIA DA MÃE ♥

(imagem retirada da internet)

É a terra para a semente
Que vai crescer protegida
É a água que mata a sede
Ao pequeno começo de vida

É a estrada que guia os passos
Num caminho que já foi o seu
É os sorrisos e os abraços
Mais as estrelas do céu


É cada lágrima que insiste em cair
Do rosto do seu rebento
É a força que parece fugir
Em cada difícil momento

É a mão que leva amparada
O fruto do seu amor
É quem protege da trovoada
E enche o coração de calor

É o nosso maior tesouro
É quem sempre nos vai querer bem
É a prata e o ouro
Com um nome tão simples, Mãe! 


Feliz dia para todas as Mães (de sangue e de coração)