AVISO

É expressamente proibida a cópia ou reprodução em parte ou na totalidade do conteúdo deste blog, sem prévia autorização, estando reservados os direitos de Autor.

Para utilização de qualquer poema, é favor contactar a Sociedade Portuguesa de Autores..pt.

A Autora,

Isabel Mendes (Isamar)

sábado, 28 de março de 2015

CHUVA MIUDINHA

(imagem retirada da internet)

Acordei de mansinho
Com o barulhinho
Que fazia lá fora
Ela chegou delicada
Mas muito molhada
E sempre em cima da hora

Chuva miudinha
Sem nenhuma ladainha
Nem se trave a fazer alarido
Leve que nem pó
Molha sem ter dó
E não se rege por nenhum partido

Ao início da tarde parou
Deu por encerrado o expediente
Disse que “por hoje já chegou”

Que voltaria quando achasse pertinente.

sábado, 21 de março de 2015

VOU VENDER OS MEUS ABRAÇOS

(imagem retirada da internet)

Decidi vender os meus abraços
Inteiros ou aos pedaços
A quem os quiser comprar
Cansei-me de os dar de boa vontade
A quem não merece nenhuma bondade
Nem sabe o significado do verbo abraçar.

Vou vender a justo preço
Mesmo que no começo
Alguém venha reclamar
Quem souber dar o devido valor
A este gesto de amor
Nunca vai regatear

Comprem um, dois ou três
Ou voltem segunda vez
Não vou fazer distinção
Quero apenas que, quem comprar os meus abraços
Inteiros ou aos pedaços

Sinta mais aconchegado o seu coração.

sexta-feira, 13 de março de 2015

♥ LINHAS DE AMOR ♥



Em cima da mesa
Uma folha de papel
Vou-te escrever uma carta
Tão doce quanto mel.

Faltam-me as palavras
Para te poder explicar
Tudo o que me vai na alma
Quero dizer sem falar.

Começo com “Meu amor…”
Depois “és tudo para mim…”
Continuo a derreter-me
O pior vai ser no fim.

“Beijos amor sou só tua
És o meu sol, minha paixão
Manda-me resposta pela lua
Não faças esperar meu coração”.

domingo, 8 de março de 2015

MULHER ♥


Sábia no jeito de amar
Mentora para quem não souber
Há quem a chame de amiga
Mas todos a conhecem por Mulher

Atravessa qualquer barreira por aqueles que ama
Dá a cara para o que der e vier
Há quem a chame de amor
Mas todos a conhecem por Mulher

Lar, abrigo, protecção
Esteja o seu filho onde estiver
Há quem a chame de mãe
Mas todos a conhecem por Mulher

Oferece um sorriso rasgado
A quem de bom grado o quiser
Dão-lhe o nome de simpatia
De sobrenome Mulher

Com o cabelo sobre o rosto
Reluzente como a prata do talher
A beleza encontrou assim a sua forma
Num corpo tão belo, como o teu Mulher!